7 de Fevereiro de 2018 / by Luciano / Previsões sem qualquer fundamento / No Comments

A Tecnologia e o Futuro do Cinema e Entretenimento Digital

Há muitos anos se fala como a indústria dos games superou o faturamento da indústria do cinema. Para você ter uma idea, há 04 anos atrás, em 2013, o mercado de games faturou 70 bilhões de dólares no mundo o todo, o dobro do faturamento global das bilheterias do cinema, que ficou em 35 bilhões de dólares.

Ainda em 2013, o jogo Grand Theft Auto V (ou GTA 5) vendeu sozinho 800 milhões de dólares, maior recorde de todos os tempos entre games, filmes ou álbum musical. Mas como será que os games alcançaram essa façanha?

Não é uma tarefa simples determinar como isso aconteceu, mas o que fica claro é que os consumidores passaram a valorizar mais a interatividade e liberdade oferecida pelos games, e a demanda por mais jogos e mais interatividade parace não ter fim.

Mas então qual a saída para Hollywood atravessar esse momento crucial da sua existência? Minha humilde sugestão é fazer pelos consumidores exatamente o que os games fazem muito bem: prover experiências únicas ao invés de “hits” enlatados. O público cansou de experiência de “massa”, e ao invés disso quer experimentar experiências em “massa”, mesmo que sejam micro-experiências, pulando de conteúdo para conteúdo.

Como fazer isso? Ao invés de tentar explicar, vou dar um exemplo: Você já viu o processo de captação dos movimentos dos jogadores para games como FIFA ou NBA da Eletronic Arts? Os jogadores utilizam roupas com milhares de sensores que captam cada movimento milimetricamente, inclusive expressões faciais, e transformam tudo em um modelo animado 3D. O resultado é conteúdo realista que vem se aprimorando a cada ano em um ritmo assustador.

Então, o que falta para a indústria do cinema fazer o mesmo com seus atores e atrizes consagrados, do presente e até mesmo do passado, e passar a oferecer conteúdo interativo onde os consumidores possam interagir ou mudar os rumos da história. Quem sabe, até mesmo criar as suas próprias histórias?

Filmes recentes das franquias Star Wars e Velozes e Furiosos utilizaram com sucesso atores que já morreram utilizando tecnologias semelhantes às utilizadas no mercado de games. Em breve não será possível identificar quem é um ator real ou 3D, tamanho o realismo que será alcançado.

Então pode se preparar, porque em pouco tempo se tornará padrão os artistas licenciarem seus direitos de imagens para participar e encenar filmes após sua morte. Só falta a indústria do cinema acordar do sonambulismo atual e dar aos espectadores o poder de influenciar e construir as experiências que eles desejam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *